30 de mai de 2005

Memória de elefante...

Vim aqui só pra dizer, hoje, segunda-feira, 9h19m, que acabei de lembrar que o nome da Trinity é Carrie Ann Moss.
Pronto, agora meu post de ontem está completo.
Até o próximo, que não deve demorar.

Bom dia!
:-)
|

29 de mai de 2005

Depois de você, os outros são os outros e só



Bom dia, povo alegre!

Hoje São Paulo deve ser a cidade mais colorida e animada do planeta.
É dia da Parada do Orgulho Gay - espetáculo imperdível pra ser visto pelo menos uma vez na vida.
E você não me faça essa cara de "eu, hein" ou de "quem, eu?"...Quié?
Já sei.
Você deve estar pensando "eu não, se eu for lá ver, vão falar que eu sou gay também" não é?
Tsc, tsc, tsc... Gente, isso não existe mais!
Esse tipo de pensamento é justamente um dos propósitos do evento: acabar com ele!
Não é culpa sua pensar assim. Você , como eu e como muita gente por aí, foi criado segundo uma série de preceitos, explícitamente ou até mesmo inconscientemente preconceituosos e carrega esse ranço até hoje sem sequer um dia na vida ter parado pra questionar isso. Mas, ó: vamos começar a rever isso, ok? Que tal?
Cada um sabe de si, e julgar, só cabe à Deus.

A HBO tá passando os 3 Matrix de uma veizada só, estreou ontem.
Assisti até onde deu e concluí que:
a) a Trinity usa as botas que eu queria pra ir no aniversário da minha amiga e agora comadre Alê;
b) no segundo filme, aquela roupitcha de padre do Neo é rrrrrrrrrrrri-dí-cu-la!
Praquê isso gente? Só se for pra rodar a saia (a baiana?) quando ele dá aqueles pulinhos, só pode...

c) e que justifica o título deste post: filmaço mesmo é o primeiro.
Os outros até são legaizinhos, mas enche um pouco o saco o excesso de efeitos, que compete(e ganha) demais com a trama.

Alguém sabe me explicar o por quê de todos os confetes e holofotes caírem somente sobre o trio Keanu/Trinity(esqueci o nome dela)/Fishburne?
Porquê ninguém fala do talento de Hugo Weaver, o Agente Smith?
O cara é muito bom! Um grande ator e super versátil, tô de olho nele desde Priscila, a Rainha do Deserto (foto), o que nos leva da volta ao assunto inicial.
Que palhaçada foi essa de trocarem o show da Parada Gay de Boy George, Macy Gray e
Fat Boy Slim pra Bonde do Tigrão e Alexandre Pires?!?!????
TAQUEOSPARIU! Ninguém merece.
Já tava até providenciando um boá pink pra ir soltar a franga lá no meio da rapaziada....
Bonde do Tigrão, nem gasto meu teclado pra comentar,agora, Alexandre Pires vai fazer o quê lá?
Espero que ele seja eleito a rainha do desfile de cetro e coroa, com todas as pompas.
A coroa dispensa maiores explicações, e o cetro, que seja devidamente enfiado no seu CU(no dele, tá? que fique claro).
Bom domingo, pessoal!!!!

p.s.: acharam que eu ia terminar esse texto sem nem um palavrãozinho? Aí não seria eu, né....

:-)
|

26 de mai de 2005

O que corrói é o tédio


Sabe esses dias em que horas dizem nada

E você nem troca o pijama, preferia estar na cama
O dia , a monotonia tomou conta de mim
É o tédio , cortando os meus programas, esperando o meu fim
Sentado no meu quarto
O tempo voa
Lá fora a vida passa
E eu aqui à tôa
Eu já tentei de tudo
Mas não tenho remédio
Pra livrar-me deste tédio
...
Tédio , esse é o meu drama
O que corrói é o tédio...

Mas ô feriadinho fiadaputa...tô odiando!
*Só não está sendo pior porque a Chiara veio aqui me dar uma plantinha de presente :-)
Obrigada, lindinha, você foi a minha salvação.
(Ei!!! isso me lembrou outra música:"Você me ligou naquela tarde vazia e me valeu o dia...")
Beijão e bom feriado pra todo mundo!
|

25 de mai de 2005

A primeira chinelada a gente nunca esquece

Não é o que vcs estão pensando....rs...Essas eu já devo ter perdido a conta...
Eu me refiro à primeira vez que eu vi o Mengão jogar...
Ver o anel fechado do Maraca tingido de vermelho e preto, salpicado das outras cores da torcida adversária é uma coisa indescritível e que até hoje me emociona.
Foi contra o Vasco, e é aí que entra a tal chinelada - se tiver algum vascaíno lendo, antes q eu me esqueça, vatománocu antes de dar essa risadinha -3 a 2.
Voltamos , eu e meus dois irmãos encolhidos, sem ousar dar nenhum pio no banco de trás da" fuca" azul bebê do meu pai; puto, louco da vida, de doente que era pelo Flamengo.
Pra vocês verem que não é de hoje que meu querido Mengão faz dessas patifarias com a gente.
E nesse último domingo chegou a vez do meu amado "sobrinho-filhinho" Igor, de 5 anos, passar pelo ritual de iniciação rubronegrística, mas o gosto de contar como foi eu deixo pro pai dele, meu irmão:

Ontem levei o Igor para assistir, pela primeira vez um jogo do Flamengo (coitado). Ele adorou...o pacote de amendoim que o entreteu pelo menos, pelos 45 minutos iniciais.
Como era de se esperar, o Mengão sífu. Mas valeu a experiência, principalmente pro Igor, que AMOU mijar no banheiro químico, além do pacote de amendoim e do suco, arrematou quase toda quinquilharia que passava pela sua frente. Um cordão com o escudo do Flamengo, uma carteira de identidade rubro-negro, e, o melhor de tudo,o delicioso sabor de gritar impunemente um palavrão, com o aval do pai, do avô e do tio, que completaram a comitiva rubro-negra: "EI, DIMBA. VAI TOMAR NO CU!" ou "Ô DIIIIIIIIIIMBAAAA, VIAAAAAAAADOOOOO!".

E meu irmão continuou me contando a história via messenger:

joão diz:

no domingo, pela manhã, ele só falava do jogo

joão diz:

tu acredita que DO NADA, ele manda essa:

joão diz:

"se meu vô paulo estivesse na terra, ia no jogo com a gente, né?"

O que mais eu posso dizer depois disso? O Igor tinha toda razão.
Criança sabe de tudo mesmo.

Beijos à toda nação rubro-negra, e aos vascaínos, um seco aperto de mão, além daquilo q eu disse lá em cima.
Image hosted by Photobucket.com

:-)



|

24 de mai de 2005

Sangue novo à old fashion way

Faz tempo que eu não comento sobre música aqui né...
Mas o que você faria se de repente fosse surpreendido por um som com jeitão antigo, mas absolutamente novo,temperado com generosas colheradas de tudo aquilo que você mais curte?
Foi mais ou menos isso que aconteceu comigo quando tomei conhecimento da banda carioca(vão à merda, não é bairrismo coisa nenhuma!)Jess Saes.
Soa como Pink Floyd( nos áureos tempos, faço questão de dizer), Mutantes, Fripp( King Crimson!)... e ainda assim consegue ser diferente de tudo o q eu já ouvi.
Com o CD "Deus está vivo e num cubo de açúcar", a velha e boa, e porque não dizer, imbatível sonoridade dos golden seventies ressurge turbinadíssima do sangue novo dos rapazes do Jess Saes. Desconstruída, reinventada e com muito, mas muito mesmo rock da melhor qualidade.
Também achei o nome intrigante, tanto da banda quanto do álbum, mas, boa fuçadora do google que sou, descobri que "O título remete ao filme Busca Alucinada (Psych-Out, 1968), de Richard Rush, em que uma menina recebe um cartão postal do irmão dizendo que "God is alive and well and living in a sugar cube". Do mesmo filme, aliás, vem o nome da banda: lê-se Jess Saes em um bilhete semidestruído."
Sacou? Não?
Então dá uma sapeada no site deles já linkado lá em cima e confira algumas canções enquanto
a banda não chega aqui em sampa pra lançar este novo trabalho.
Não quero influenciar ninguém, mas eu adorei "Palavras Azuis".
Mas tão aqui ainda... vão lá ver!!!

Beijos ( hoje lisérgicos)
:-)
|

Péra um pouco...

Guentaí q eu tô chegando....
beijos....
:-)
|

20 de mai de 2005

Hoje é dia de Roberto!

Mas... aguardem!
O cara manja muito de rock'n roll e tem um blog dele pra sair do forno já, já....
.....................................................................................

Maio.Verão.

Afinal de contas, depois de 11(ONZE) anos... o que é que acontece, no momento que ela me joga aquele olhar?! Ou quando me toca? O que se passa comigo, quando ouço aquela voz...quando sinto o cheiro dela? Engraçado... o meu perfume preferido é o cheiro daquela mulher. Sem Perfumes da Boticário, ou de outra marca qualquer. O cheiro dela mesmo.

Depois de tanto que aconteceu, tantos sorrisos, risos, lágrimas, choro, dor, gozo, gemido, gargalhadas, aventuras... quantas brigas, quantas pazes. Tanta intimidade...nenhuma intimidade... Enfim, depois de tantas mudanças, alguns Invernos polares, e tantos Verões tropicais... O que é que ainda me encanta, que ainda me atrai...só de considerar sua existência?!?

Aprendemos muitas coisas JUNTOS. Pode ser uma explicação bem razoável. Ficamos juntos, entre os 20 e os 30, idade boa! Essa também é uma boa razão. Vivemos juntos nossos melhores e piores momentos (se é que isso existe!). Também vale como justificativa. Mas... uma resposta, acho que não tem nenhuma. Pelo menos não nesse parágrafo.

Vou vê-la, de manhã cedo... FUDEU! Já percebo alguma coisa mudando em mim. E é bom. Como é bom, tê-la ao meu lado, quando ela está assim...tão carinhosa, receptiva, amorosa. Verão Tropical em maio (já tô até sem camisa, o que é muito considerando que moro numa cidade fria).

Pronto, já comecei a ver algumas pistas para uma resposta. Uma respostinha que seja. Mas, lembrando direitinho... ao longo desses 31 anos, acumulei mais perguntas do que respostas... e as respostas sempre mudam, de acordo com cada situação, então a questão é: Dá pra me contentar com verdades que não têm a menor garantia quanto à durabilidade? Sei lá.

Com tanto que passei (viram? Já tô falando só de mim), ao lado dessa criatura, bom e ruim, o que é que sobra de verdade? Que a amo, muito! E aconteça o que acontecer, sei que ela é a mulher da minha vida. A paixão da minha vida.

Se vamos ficar juntos pra sempre...sei lá. Se vamos nos separar de novo...sei lá. Sei lá, MESMO! Em primeiro lugar, preciso descobrir QUANDO é esse tal de sempre. Talvez seja uma missão para um segundo momento, pois não sei sequer quando é amanhã.

Saber mesmo, só sei o que sinto por ela. E até aqui, isso nunca mudou. Exagero meu. Mudou sim, mas nunca diminuiu, ou piorou. Esse sentimento esteve presente em mim (às vezes acho que até fora de mim, também) desde os primeiros dias de namoro, há mais de uma década, e está aqui ainda.

Foda mesmo, é que eu adoro uma mesmice em algumas coisas. Núcleo familiar, por exemplo. Gostaria de estar casado sim, desde o começo até a morte, sem interrupções. Mas, como já disseram: a vida não tem padrão. Que merda, eu queria que tivesse. Mas, foda-se!

É... Ô muleke confuso do caralho!

|

15 de mai de 2005

O amor da gente é como um grão


Cara!!!
Agora que eu me dei conta que ontem, sábado pessoas que eu amo muito,muito, muito, meus amigos mais queridos e que não se conheciam, de repente estavam todos sentados à mesma mesa.E não foi nada combinado...terá sido obra do destino?
Deve ser por isso que hoje eu acordei tão feliz.
Marina, Silvio, Lelê, Chiarinha e Rico... you're always in my heart!!!!!!!
Bom domingo pessoal!!!!
:-)
|

13 de mai de 2005

Tio Sukita

Ai, que orgulho!!!!!
Esse menino é um xodó, lindo, inteligente ...meu Ben Afleck particular...
Desde novinho ele sempre deu sinais de extrema inteligência e humor irônico, como convém
a todo bom escritor que eu conheço e admiro.
Tanto que, na flor dos seu 12 ou 13 anos, presenteei-o com um livro do mestre Darci Ribeiro - Aos Trancos e Barrancos que foi imediatamente devorado e brilhantemente arrematado de comentários tão pertinentes quanto precoces.
Esse é o meu priminho lindão, o Roberto que eu tô inchando de orgulho e de alegria de poder apresentá-lo aqui.
Bem-vindo, Robertone!!!! Vai que é tua!!!!


>...............................................................<

“Aê, Roberto, vamo no CPM22 ?!?”

Num primeiro momento, pensei que o Escada (apelido antigo do Ricardo, meu camarada de mais de 15 anos) tinha perdido a razão, ou tava me zoando. Depois da insistência, percebi que ele falava sério!

“Bom, vamo, né!” Acho que foi uma grande oportunidade de conferir uma banda de rock (hahahahaha) que está na sua melhor fase...sei lá, vai que os caras são bons!

Nossa empreitada tinha uma desculpa...estávamos levando a Thaís, cunhada do Escada, de 16 aninhos, porque sozinha o pai não deixaria ela ir. Nobre atitude, a nossa.

Não satisfeitos, resolvemos estragar a sexta-feira de outro amigo, o Rodrigo “Ceguinho”. Fomos até a casa dele, esperamos umas duas horas pro dondoca se arrumar todo. E ele ainda saiu exatamente como estava quando chegamos! Nesse meio tempo, ficamos em companhia de Lara (ou Laura) assistindo Nemo, e depois ouvimos o cd da irmã dele, a Mariana Davies. Bem legal o cd. Rock cru e honesto, sem maiores pretensões no mundo pop.

E fomos, os três trintões. Nos despencamos até Itaipava, ouvindo o novo do Jane’s Addiction, Chevelle, e outras bandas muito mais dignas de levar o rótulo de “rock”. Pensei: “ Caralho, não há a menor possibilidade da gente ouvir esse som e ainda gostar do show do CPM22!”

Chegando lá, já me emputeci com a organização do evento, que só aceitava carteirinhas de estudante, se tivessem foto. Mifu, a da Estácio não tem. Apesar de não ser mais universitário, vinha alcançando certo êxito em alguns lugares. Tudo bem, pelo menos no cinema ainda dou balão. Mas vamos em frente...

Entramos no Parque Municipal de Petrópolis, às 23:48h, demos uma volta até encontrarmos os amigos da Thais, quando então combinamos: “Ó, Thaís...15 minutos depois do show, a gente se encontra ali.”

E fomos andando no meio daquela molecada de 13, 14, 15 anos. Acho que os mais experientes deviam ter, no máximo 16. E concordamos que os nossos ídolos nessa idade eram bem melhores que CPM22, Linkin Park, DiBob, etc. Pensamentos típicos de velhos, mesmo. “No meu tempo...”

Outra coisa que constatamos...essa molecada anda consumindo muito hormônio. As meninas de 11, 12 anos já têm seios e quadris de mulher! E muitas delas se comportam como lobas, voando em cima dos garotos...isso quando não voam em cima dos adultos, mesmo! Me ocorreu de agradecer por só ter tido dois filhos homens, porque, numa situação dessas, se eu sou pai de uma dessas garotas e a vejo com essa atitude...nem sei.

Foda mesmo, é que quando essas menininhas chegarem à idade boa (18), já estarão um bagaço!

Encontramos o Rabellais, outro trintão, ex-baixista/vocalista do Bloodsuckers, lendária banda de metal petropolitana dos anos 90, e amigo das antigas. Estava acompanhado da namorada e uma amiga desta. Não me lembro dos nomes. E ficamos por ali, bebendo, conversando...apagaram-se as luzes, com exceção de um holofote escrotíssimo, apontado pra nossa cara...começou o show.

Senti uma mão apertando minha bunda... “Ô FILADAPUTA!” gritei logo. Pro meu alívio era a Lola, minha cunhada (to recém-separado, ainda acho estranho falar ex-cunhada). Ela me despertou alguma coisa...de repente achei ela mais bonita do que antes...talvez por estar usando menos piercings que o usual, sei lá. Estava com a Camila, que também é muito gata (acho que eu to meio tarado!) e com o Flavinho, amigo delas, e gay...o que foi suficiente pra três filasdaputa como eles só ficarem me zoando... “aê Roberto, ta machucando a bicha?!?!?” Tudo bem, vou às forras depois.

Resenha: Tocaram todos os hits, do primeiro ao mais recente, algumas outras do disco novo, em uma hora e pouco de apresentação. O público não era dos maiores, mas parecia bem animado, cantando os refrões, etc. É verdade que o som tava horrível, abafando as guitarras, mas mesmo assim deu pra perceber que os músicos não são nenhuma maravilha em termos de criatividade, muito menos virtuosos, mas quando uma banda de rock toca rock de verdade, isso não importa muito, porque a energia contagia e as músicas ganham outro peso. Isso, num show de rock de verdade. Porque esses caras me pareceram tão rock quanto Sandy e Junior. Umas musiquinhas bem pop, com um q (minúsculo) de punk rock.

Parágrafo à parte, para falar da parte mais insuportável do show: o sotaque do Badauí. PELAMORDEDEUS! O que é aquilo?!? Conheço um monte de paulistas, e boa parte dos meus parentes são de lá, mas o sotaque desse mala é algo de doer os ouvidos! Ainda mais cantando aquelas letras de corno deprimido, típicas das duplas sertanejas que esse mesmo público despreza! Taí, o CPM22 é o Leandro e Leonardo de boné, barba por fazer e andando de skate.

O fato de saber que alguns dias depois iríamos ver O Rappa, me deixou um pouco mais aliviado. E ainda teríamos o Detonautas, antes disso. Esses últimos, achei que fariam pouco mais do que traduzir para o carioquês o que o Badauí cantou em paulistês. Mas isso é outra história.

Terminado o show, tomamos mais uma gelada enquanto resmungávamos desse showzinho de 5ª, numa noite de 6ª, ansiosos pelo de sábado, e fomos encontrar a Thaís. Para nosso alívio, ela também detestou o show. Pode ter sido efeito dos discos que ela ouviu pela primeira vez na vida, no caminho até Itaipava. Ela jurou que gostou do System Of A Down.

Na volta, o Gláucio apareceu e voltou de carona com a gente. Disse que também tinha achado uma merda.

Demos uma última olhada naquela pirralhada, parecia que a maioria tinha se divertido bastante. Entramos no carro e voltamos, ouvindo e comparando o Chevelle com o Tool.

No mais, a gente até que se divertiu, rindo dos outros, rindo do show... rindo de qualquer porra! Tínhamos sobrevivido ao pior show que vi na vida. E já vi muitos! Esses caras são foda, mesmo! Tão se dando bem, a mtv baba em cima deles, a Rádio Cidade também...o mais engraçado é a vinheta da Rádio, antes de tocar essa merda: “Cuidado! Aí vem porrada na Cidade!” HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH...

Noite estranha, três roqueiros perdidos num showzinho da pior qualidade. Nem conto o Rabellais, porque ele estava acompanhado da namorada, pra ela foi um programa aceitável. Depois dessa, vou tomar um overdose de rock do bom, pra dar uma limpada nos ouvidos.

Beijos pra todos

Roberto






|

11 de mai de 2005

Então...

... na segunda feira eu voltei lá, naquela sucursal do inferno conforme havia sido orientada pela burrinha.
E qual não foi a minha surpresa quando vi que estava...FECHADO e só voltaria em 23/05!
Mas eu nunca vi filhos mais dedicados e fazer a meiga mãezinha ser lembrada a todo instante...chega a ser comovente.
Já ia começar a praguejar quando um senhor, esse sim, filho de mãe digníssima, me informou que a UNIP também prestava esse serviço à comunidade local, da qual eu faço parte.
Mas deixemos isso um pouco de lado. Quero contar pra vocês como tudo começou.
No longínquo mês de agosto de 2003, eu recebi uma conta de água no valor irrisório de...R$ 1.190,50, equivalentes à 181m³ de consumo. Gente! É água pra caralho! Praticamente um tsunami, uma vez que minha média mensal varia entre 5 ou 6 m³. Isso costuma dar em torno de 20,22 reais no máximo.
Fui lá reclamar, lógico. Como uma casa com 3 pessoas que passam a maior parte do tempo fora pode consumir esse absurdo de água? Mas nem se até a cachorra tomasse banho de chuveiro, escovasse os dentes e cagasse na privada todos os dias alcançaria um consumo desse.
O que aconteceu foi que um gentil funcionário me disse que a leitura estava certa (me lembrem de incluir a mãe dele nas homenagens) e que o máximo que poderia ser feito, seria o parcelamento do débito. Fiz a merda do parcelamento, sob protesto, mas não tive escolha. A primeira parcela deveria ser paga no ato e as restantes chegariam pelo correio.
Na mesma semana fui visitada por funcionários da SABESP, que fizeram vistoria no hidrômetro, etc e tal e depois disso não chegou nenhuma parcela do maldito acordo - o que me levou a crer que eles constataram o erro e eu estava isenta de pagar a tal da conta.
04/04/2005: tocam a campainha e...Surpresa!!!! A SABESP veio CORTAR a minha água por causa da maledeta conta de dois anos atrás.
E cortaram mesmo. Foi aquele circo de quebrar a calçada e tudo.
Voltei na SABESP e lá me disseram que eu não deveria estar reclamando, já que eles me DEIXARAM usar a água por dois anos. Como são bonzinhos...
Tem mais, fui praticamente coagida a fazer novo acordo porque só e somente assim a água seria religada. Não são uns amores?
Fiz novo acordo, paguei a primeira parcela e no dia seguinte já pude cantar no chuveiro novamente.
Agora eles vão conhecer a minha fúria.
Me aguardem!

:-)
|

Haja II - a saga continua....

Pois é... tem mais...
Mas agora eu preciso sair, é só pra vcs saberem q mais tarde eu volto com a continuação do perrengue.
Beijão!!!

:-)
|

6 de mai de 2005

Haja...

Blogueiro pobre é assim: na falta de um laptop, anda de bloquinho e caneta na bolsa.
E graças ao bom e velho bloquinho e a uma providencial e legítima caneta Bic, aqui estou eu, aguardando ser chamada numa fila insana no Forum da Lapa.
Beleza! Só tem 20 pessoas na minha frente, o único problema é que o atendimento começa às 13h, já são 14h30 e ainda não ouvi chamar sequer o n° 2.
Espero que valha a pena essa minha intenção de enfiar um nabo enorme e espinhudo, até o talo no rabo da Sabesp, eu quero ver o oco! Mas isso é outra história que eu conto no próximo episódio.
14h50. Putaqpariu... tô morrendo de fome e não dá nem pra ir até ali tomar um cafezinho.
O jeito é me entupir de pastilhas Garoto.
Meu celular vai acabar encontrando o Nemo, a Susan e Mr. Goodbar, mas não consegue encontrar a rede desde que entrei aqui. Whatever.
Pelo menos agora tá indo rápido, acabaram de chamar o n° 5
15h15.Tô percebendo uma movimentação de debandada...tomara!
É que neguinho chega aqui (eu, inclusive) achando que vai ser pá-pum, que resolve tudo rapidinho no horário do almoço, mas não é bem assim que a banda toca.
E enche o saco mesmo, se não fosse tão importante eu já teria queimado o chão, tô cheia de coisas pra fazer e...Uia!!!! Chamaram o 12!!!!
16h00. Casa do caralho...
Acabei de ingerir minha última pastilha Garoto. Mudei de cadeira que aquela já estava com a marca da minha bunda.
Êita funcionarismo público dos infernos!!!!!
Parei de cronometrar porque acabou a bateria do meu celular, que também faz as vezes de meu relógio.
Minha vez! Ufa! Cansei de explicar tantas vezes a mesma coisa pruma menina com cara de meiquiburrinha (é assim Lelê ?) e que não ia resolver absolutamente porra nenhuma.
Ainda pediu pra eu aguardar mais um cadim. Valha-me Deus.
Já tinha ido quase todo mundo embora , quando a burrinha deu conta de mim ali no banco aguardando a merda do cadim que ela pediu.
"Ai...hihihi...desculpa...."
Eu:" magina! O que é que tem demais ficar aqui o dia inteiro sem comer, perder o dia de trabalho e ainda ser esquecida, né? hihihi...."
Todos os olhos do lado de lá do balcão me fuzilando. Eu apenas dei um sorrisinho pra burrinha, que ficou sem ter onde meter a cara.
No final de tudo ela só tinha que me dar um papel pra preencher e devolver com cópia de toda documentação pra marcar uma audiência. Precisa mesmo de um dia inteiro pra isso? Deve ser difícil entregar papéis pra preencher.
Essa experiência me serviu pra constatar que a justiça no Brasil é mesmo cega... e surda, e muda, paraplégica e ultimamente anda sofrendo de Alzheimer.
No mais, feliz dia das mães pra todo mundo, inclusive pros funcionários do Juizado de Causas Especiais. Não é porque as mães deles exercem a profissão mais antiga do mundo, que não vão ser dignas da homenagem, né?

Beijão!!!!

:-)


|

2 de mai de 2005

Uma historinha

A menininha ganhou uma carteira - carteira mesmo, de guardar dinheiro.
- Mas eu não tenho nenhum dinheiro pra pôr aqui...
A mãe carinhosa pegou uma nota de 50 e mostrou pra filha:
- Olha, isso aqui é uma nota de 50 reais, vou guardar na sua carteira.
Passou. E a nota acabou esquecida.
Mãe e filha no trânsito de São Paulo, quando num sinal vermelho o infalível e onipresente:
- Tia dá um trocado?
E antes que a mãe pudesse esboçar qualquer reação, ouviu vindo do banco traseiro:
- Toma!
É isso mesmo que você está pensando - a nota de 50...ai.....
Viu a pedinte dando saltos de alegria, e o sorriso puro e inocente da filha:
-Viu, mãe? Eu ajudei!
Diante disso, a mãe nem pensou em repreender a pequena, que na plenitude dos seus cinco anos, pode não ter noção do valor do dinheiro, mas já se mostra como um ser humano exemplar, cheia de nobreza de sentimentos(aprendeu com a mãe!)

Deus te fez assim com toda essa sua grandeza de caráter, Chiarinha querida.
Nós os grandes, ficamos pequenos diante de uma alma grandiosa como a sua.
Quando eu crescer quero ser igualzinha a você!

:-)
|