26 de jan de 2005

Forrest Gump


Meu caminho é cada manhã, não procure saber onde estou
meu destino não é de ninguém, eu não vejo os meus passos no chão...

Hoje eu saí pra fazer minha caminhada debaixo de chuva.
Sabe quando a coisa se torna uma questão de honra?
Quando você se propõe a encarar uma atividade física é assim: até sair de casa é um verdadeiro tormento, tudo se faz motivo pra você não ir, mas, uma vez vencida essa barreira,aí rola normal.
Lá fui eu naquela garoinha chata, gelaaada...
Em alguns momentos a chuva engrossava,mas voltar,nem pensar. O jeito foi abstrair.
Se o meu corpo virasse sol...minha mente virasse sol, mas só chove...
Pouca gente no trajeto,a rua praticamente só minha, salvo um ou outro corredor obstinado que me lançavam olhares ora solidários, ora de estranheza, tipo:"eu sou um atleta, quem ela pensa que é?" Pra esses o meu olhar retribuído era simplesmente: "foda-se".
O corpo começa a esquentar. A endorfina se espalhando causa a sensação de que três voltas em torno do globo terrestre talvez não sejam suficientes. Vamos dar cinco (Ufa!).
A medida q ia avançando no meu percurso mundo afora, outra viagem não menos interessante começava a acontecer Ana adentro.
Se um dia eu pudesse ver meu passado inteiro, e fizesse parar, chover, nos primeiros erros...
Vi tanta coisa...
Fazendo um balanço de tudo que se apresentava no filminho da minha vida, pensei que o melhor mesmo é que o passado permaneça onde está, ou seja: no passado.
Quanto aos erros, bem, prefiro rebatizá-los de experiência, pois pra alguma coisa boa foram posteriormente revertidos.
Nossa, como eu andei... Já tá bom de voltar.
Lá fora só chove...chove... Aqui dentro: Here comes the sun...


:-)
|